O livro Consumo de Moda – A relação pessoa-objeto de Ana Paula de Miranda é um clássico na Estação das Letras e Cores Editora. A primeira edição foi reimpressa diversas vezes, pois trata-se de um livro de base para diferentes estudos que incluem as áreas de consumo e marketing e foi adotado por vários professores em diferentes cursos.

De acordo com Kathia Castilho, editora do livro, há tempos a Estação prepara junto a autora esta segunda edição. “Trata-se de um livro que sempre esteve presente em nosso catálogo e continua sendo adotado pelas Escolas de Moda. Nesta edição, há também a perspectiva do consumo masculino — relação ainda inédita no livro e que veio ganhando relevância nas pesquisas da Ana Paula”, explica. A apresentação desta nova edição é da Profa. Olga Pepece e de Ronaldo Fraga. O estilista já assinava a capa da primeira edição e fez uma ilustração nova para a capa, páginas internas e assina também a contracapa.

O livro é indicado para estudantes e pesquisadores de moda e para estrategistas de marketing em negócios de moda.

Na 2ª edição há também a perspectiva do consumo masculino — o que tem ganhado relevância nas pesquisas da autora.

Na primeira edição havia mulheres cabides que ilustravam a capa do Consumo de Moda. Nesta segunda edição, vermelha, há vários perfis de consumidores que diversificam o consumo. Para Ronaldo Fraga, “hoje, para um mesmo produto, as vezes há mais de um gênero de consumidores. Além disso, na segunda edição, há pesquisas focadas no masculino e o homem também tinha que aparecer”, diz.

Para o blog da Estação, fizemos uma breve entrevista com a autora Ana Paula que lançou o livro, no primeiro semestre de 2017, em espaços diferenciados em São Paulo na Casa Semio, no Rio de Janeiro no Gabinete Duilio Sartori e em Minas Gerais no Grande Hotel Ronaldo Fraga.

O livro Consumo de Moda, foi impresso pela primeira vez em 2008. O que traz a segunda edição?

A segunda edição foi revisada, atualizada e ampliada. A relação pessoa-objeto tratava do consumo feminino, nesta nova edição acrescentamos um capítulo sobre consumo masculino. Meu principal tema de pesquisa é o consumo. Durante todos estes anos tive a oportunidade de acompanhar os diálogos que o livro abria com diferentes interlocutores. Estas trocas aparecem em alguns pontos da revisão também.

Qual a contribuição do livro para o crescimento de pesquisas na área de consumo no Brasil?

Acredito que o livro é um bom ponto de partida para outras pesquisas que buscam entender o consumo de moda. É um tema de grande importância nos estudos de mercado bem como de estudos acadêmicos.

Nós, eu e Olga Pepece — que assina a apresentação desta nova edição — coordenamos juntas o GT de Consumo de Moda, um grupo de trabalho onde apresentam-se pesquisas na área durante o Colóquio de Moda. Assim, posso dizer que temos acompanhado de modo muito próximo as pesquisas desta área no Brasil e também apresentado nossos estudos e resultados em Congressos fora do Brasil. É uma área de análise que dialoga com varias áreas de estudo científico.

Para quem o livro é indicado?

Eu indico para professores e alunos de todos os níveis que se interessam no fenômeno de consumo de moda como objeto de pesquisa. E para estrategistas de marketing em negócios de moda.

Na contracapa do livro assinada pelo estilista:

“Muita coisa mudou no Brasil e no mundo nos últimos dez anos. A Moda como reflexo do retrovisor do tempo registrou e sofreu abalos sísmicos dessas mudanças. Grande parte da industria textil migrou para os países asiáticos, o fast-fashion engoliu a poesía da moda como gafanhotos na plantação, a crise no consumo de moda inventou o see now, by now que apareceu como salva-vidas num mar de consumo escasso. A moda, como conhecíamos dez anos atrás, acabou e agora é hora de reinventá-la.

É por essas e outras que o relançamento desta obra Consumo de moda: a relação pessoa-objeto se faz necessário. Em 2008 a autora já sinalizava mudanças na forma de pensar e consumir moda. Agora revisitada, ela nos convida a entender e decifrar os enigmas do consumo desta velha esfinge chamada moda para que sigamos em direção ao futuro.